Oi!

Esse é o Petites Mélodies, um blog sobre arte e cultura visual.

Espero que goste da leitura e que acompanhe as novidades nas redes sociais!

semana design rio e a importância de pensar o design

design rio copy.jpg

Para inaugurar esse novo momento do site, com um novo layout, logo, e também novas sessões, nada melhor do que um post sobre design – essa disciplina que, segundo o designer gráfico Stuart Bailey, é uma disciplina fantasma, pois funciona sempre em relação à outras disciplinas.

Esse texto apresenta o design em um outro contexto: o da exposição. Expôr design num ambiente de museum é uma tarefa difícil e sempre desafiadora para aqueles que se propõem à isso. Porém, uma outra forma de apresentar esses trabalhos – e até mais antiga do que os museus modernos – é através dos grandes salões.

Salões de Design dedicados a expor a produção de culturas locais em um âmbito global foi um segundo passo. O Salão de Móveis de Milão, criado em 1998, foi um dos precursores no assunto, uma vez que o design surge oficialmente* como campo do saber em 1977 com a criação da Design History Society (Sociedade Histórica do Design). mas antes disso, existia a tradição dos grandes salões e exposições internacionais.

Diferente de uma tradição modernista com base em um saber recional, a origem do design no Brasil vem de uma tradição pautada no design vernacular com um vocabulário artesanal. O design brasileiro encontra oficialmente o Modernismo no pós-guerra. Comparado às grandes escolas e movimentos de vanguarda do design internacional – como a Bauhaus na Alemanha e o Construtivismo na Russo entre outros – demorou para que o design brasileiro aderisse aos conceitos Modernos.

Assim, embora a gente possua grandes nomes no design reconhecidos inclusive internacionalmente – como se isso fosse um argumento de legitimização do nosso saber –, o design brasileiro é relativamente um campo jovem. O próprio termo 'design' vem sendo aderido aos poucos no lugar de 'desenho industrial' ou 'projeto'.

Ainda estamos caminhando e construindo esse campo do saber com as nossas referências, tragando as influências culturais externas. É tempo de pensar o espaço que esse saber ocupa e isso, sem dúvida, é uma questão global. Mas que no âmbito nacional – com base no conceito moderno de estado-nação – torna-se crucial: qual espaço o design ocupa no Brasil hoje? E qual espaço ele quer e deve ocupar?

Questões como essas e muitas outras são fundamentais para serem discutidas e, para isso, é importante a criação de eventos e espaços para que esse tipo de debate seja possível de acontecer.

Eventos como a Bienal da ADG e a Semana Design Rio, criados respectivamente em 1992 e 2012, promovem a exposição da produção local e discussões sobre esse tema que é tão amplo e ainda tão fragmentado.

Embora eventos-espetáculo com caráter de propaganda política do país, em um âmbito maior, essas ações tornam-se ferramentas fundamentais para o estágio atual que o nosso país apresenta no que se refere ao design.

Precisamos conhecer nossa produção, entender nossas referências, e olhar para o design como um ator ao invés de um fantasma. Um ator facilitador de relações. Citando o brilhante designer norte-americano Paul Rand (1914-1996): "Design é relativo. Tudo é relação."

Só olhando para dentro vamos ser capazes de discutir o que queremos que o Design Brasileiro se torne.

[imagens via O Globo]

///
A Semana Design Rio 2015 acontece entre os dias 4 e 8 de novembro no Rio de Janeiro eé uma iniciativa conjunta do jornal O Globo com o apoio do Governo do Estado.
Para saber o que está rolando na Semana Design Rio 2015, acesse aqui a programação completa.

uma reflexão pós dia do designer

evento: semana design rio 2015