Oi!

Esse é o Petites Mélodies, um blog sobre arte e cultura visual.

Espero que goste da leitura e que acompanhe as novidades nas redes sociais!

#dicacultural // dirty pictures

dirtypictures
dirtypictures

O filme Dirty Pictures (2000) é baseado em uma história real e tem uma narrativa que mescla ficção com depoimentos das pessoas que viveram ocorrido. A história se passa em 1990, em Cincinnati (EUA), quando o diretor do Centro de Arte Contemporâneada cidade, Dannis Barrie (James Woods) resolve montar uma exposição sobre o fotógrafo Robert Mapplethorpe.

Mapplethorpe nasceu no Queens, em NY, e se tornou  conhecido por retratar a cena gay da época. Suas fotos eram, em sua maioria, em preto e branco para dar destaque às formas criadas nas composições. Além da sequência de fotos da cena gay (algumas sadomasoquistas), Mapplethorpe também retratou flores e muitos nus (alguns famosos).

Embora o filme se passe em 1990 – que se formos pensar nem tem tanto tempo assim – e todo mundo já estivesse familiarizado com a causa gay, principalmente nos EUA, Cincinnati ainda era (e é) uma cidade extremamente conservadora e foi um escândalo essa exposição. [Para ter uma idéia do conservadorismo, enquanto na década de 1990 ainda era um horror ser gay em Cincinnati, 20 anos antes (1973) Harvey Milk estava disputando as eleições na Califórnia como o primeiro político assumidamente gay.]

Dennis Barrie, o diretor do museu e curador da exposição foi acusado de pedofilia (alguns dos nus eram de crianças), obscenidade e de deturpar a ordem e quase chegou a ser preso. O caso foi a julgamento e no final das contas Barrie foi julgado inocente. Só por curiosidade, os advogados que defenderam Barrie, foram os mesmos que defenderam Larry Flynt em algumas de suas batalhas judiciais alguns anos depois.

Recomendo não só pela história do filme, mas também para conhecer um pouco do trabalho do Mapplethorpe – que eu acho lindo.

kiki smith // birds

carl gustav jung // o livro vermelho